COMUNICADO.

 

Em função da significativa melhora nos números relativos à contaminação pelo Coronavírus, estamos extinguindo a necessidade de agendamentos. 

Nossas giras são as segundas e quintas feiras, com início sempre as 20:00 horas. Sejam todos bem vindos. 

 

Nosso endereço: Rua Maestro Romualdo Suriani, 67-B (antigo nº 49). Jardim das Américas, Curitiba-PR.

 

Recomendamos a utilização de máscaras durante sua permanência no terreiro.

 

Axé!
 

TERREIRO DE UMBANDA PAI ARRUDA DA GUINÉ - TUPAG

 

Consciência e Inconsciência dentro da Umbanda.

Incorporação e não incorporação.

 

É muito comum ouvir que o médium deve ser inconsciente durante as incorporações para que haja uma excelente comunicação por parte dos Espíritos Comunicantes; esse é um grande erro nos atuais dias. Passarei a explicar melhor nas linhas que seguem:

 

A comunicação por parte dos Espíritos remonta muito antes do que se pode imaginar; já nos tempos dos povos primitivos africanos ocorriam as manifestações por parte dos Espíritos; nos tempos dos Druidas ocorriam as comunicações espirituais de forma bastante marcante e acentuadas, e também, existem relatos históricos no Budismo, no Hinduísmo e em outras religiões orientais. O próprio Zoroastrismo, ou Mazdeísmo, difundido por Mazda ou Zarathrusta, datado do Século IV AEC (leia-se Antes da Era Cristã) na Ásia Central, destaca-se por rituais nos quais ocorriam as comunicações Espirituais.

 

Com o intervento das irmãs Fox, nos Estados Unidos da América, já no século XIX, através da Tiptologia (pancadas), as três irmãs ( Kate, Margaret e Leah) foram as precursoras do Espiritualismo Contemporâneo Ocidental.

Após ouvir falar dessas três irmãs, e após ser convidado a participar de algumas seções espirituais (mesas girantes), o professor e pedagogo Hippolyte Léon Denizard Rivail, mais conhecido por Allan Kardec, foi tomado de grande curiosidade sobre os fenômenos que estavam ocorrendo na França, mais frequentes em Paris. É bom lembrar que o professor pedagogo já havia estudado Magnetismo Animal com o professor Pestalozzi na Suíça. Assim, imbuído de curiosidade e interesse para melhor compreender as manifestações espirituais que ocorriam naquela época, Kardec começou seu trabalho de CODIFICAÇÃO e ORGANIZAÇÃO das informações provindas dos Espíritos. Trabalhou arduamente para poder, em 1857, editar o seu primeiro livro sobre o assunto: O Livro dos Espíritos, o qual é composto por mais de 1000 perguntas e respostas, que esclarecem de forma clara e pedagógica sobre a atuação dos Espíritos em relação aos médiuns, pessoas comuns que têm a aptidão e a facilidade de comunicar-se com Espíritos já desencarnados. Assim ocorreu a criação da Doutrina dos Espíritos, ou como conhecemos atualmente, o Espiritismo. Vale lembrar que a doutrina foi criada pelos Espíritos (por isso o nome Espiritismo), e não por Kardec ( é muito errado falar Kardecismo).

Já no Brasil, contemporaneamente a tudo isso que ocorria na Europa, as manifestações espiritualistas também ocorriam no Rio de Janeiro e na Bahia, precisamente em 1845, na localidade chamada Mata de São João, com os estudos do Magnetismo Animal, em que  José Bonifácio, o Marquês de Maricá, o Marquês de Olinda e tantos outros personagens importantes daquela época,  faziam parte desses grupos de estudos.

 

Assim, após a chegada do Livro dos Espíritos ao Brasil, iniciava-se o Espiritismo no Brasil.

Passados alguns anos, como é de conhecimento de todos, precisamente em 1908, na Cidade do Rio de Janeiro, o Caboclo das Sete Encruzilhadas manifestou-se através do médium Zelio Fernandino de Moraes, fundando então a Umbanda no Brasil. Ressalto que a Umbanda não é uma religião Espírita, mas sim Espiritualista. Se fosse Espírita, seguiria o Pentateuco de Kardec, o que não ocorre, pois o Espiritismo não prevê ritualística, e baseia-se em estudos, leituras, reflexões, aplicação de passes magnéticos, etc. Já, na Umbanda, temos toda uma ritualística bastante fundamentada nas orientações que foram passadas pelos Espíritos Manifestantes desde a sua criação.

 

No inicio da Umbanda, retomando o primeiro parágrafo destas anotações, era necessário que o médium se anulasse para permitir que o Espírito Comunicante pudesse passar a sua mensagem de forma fiel e clara; assim, ocorriam as manifestações (incorporações) INCONSCIENTES, com o intuito de corroborar na certeza de que realmente seria um Espírito que estaria se manifestando, passando a sua mensagem, abordando a vida da pessoa consulente. Com o passar dos anos, essa inconsciência deixou de ser necessária, pois, após inúmeras comprovações anteriores, não haveria mais a necessidade do médium anular-se durante uma consulta, podendo sim, este participar e interagir, através de seu conhecimento pessoal, somado ao conhecimento do Espírito Comunicante, para que a consulta fosse mais abrangente e mais rica, seja através da linguagem, da expressão e até mesmo das experiências já vivenciadas pelo médium.

Cabe aqui lembrar que a soma é muito mais que a divisão; assim, a somatória dos conhecimentos do médium, agregada à somatória dos conhecimentos do Espírito, resultam num produto mais intenso, capaz de promover uma ajuda maior a quem busca socorro nas Casas Umbandistas.

 

Também muito se questiona sobre a incorporação ou a não-incorporação do médium dentro do Terreiro; destaco a importância de cada membro da corrente umbandista dentro da Casa de Umbanda: o Cambonismo, os Ogãs, os Sambas, os médiuns que dão suporte através da doação magnética/energética, todos são importantíssimos para dar sustentação aos trabalhos que ocorrem dentro do Terreiro. Inúmeras vezes ouve-se alguém dizer: eu não incorporo, então a minha ajuda é nula… ledo engano; quem não incorpora (ou não está incorporado naquele determinado trabalho), não deixa de estar trabalhando; posso afirmar que a atuação desse médium é tão, ou até mais importante, que a atuação do médium que está incorporado dando consulta, pois, são esses médiuns que dão sustentação ectoplasmática aos trabalhos.

Assim, se você não incorpora, ou não incorporou em determinado trabalho, não fique melindrado com isso; você tem a sua importância bastante grande para que os médiuns que estão incorporados possam dar andamento nas atividades que estão ocorrendo na Casa.

 

Vamos lembrar do Hino de Umbanda: …a Umbanda é Paz e Amor, é um mundo cheio de Luz; é Força que nos dá Vida, e à Grandeza nos Conduz... Também agregaria aqui que a Umbanda é a Alegria de viver os ensinamentos dos Espíritos e a Alegria de diariamente poder ajudar e também ser ajudado.

 

Pai Pequeno Marlus de Ogum - Teólogo Espírita. 

 

30/07/2019.